Leitura para bebês

woman reading book to toddler
Foto por Lina Kivaka em Pexels.com

A leitura para bebês abre uma janela incrível ao mundo que nos cerca, assim como ao mundo ficcional, essencial para nossas vidas. O auxílio na aquisição e no desenvolvimento da linguagem é algo extraordinário, introduzindo experiências leitoras para preparar a criança para a vida social tanto quanto a escolar.

Mas, outro aspecto extremamente relevante nesse processo, é o florescimento dos laços de afetividade que se estabelecem entre pais leitores e filhos ouvintes. É uma vivência fantástica.

Costumeiramente, os genitores, na maioria das vezes, estabelecem um diálogo dispositivo, ou seja, os pequeninos crescem escutando ordens, ainda que de forma carinhosa. No processamento de obtenção e compreensão do falar, a apreciação dos livros traz ganhos de qualidade e proporciona uma relação interlocutora aconchegante e só possível através leitura.

Justamente por isso, é essencial que obras e textos sejam lidos desde o momento em que os bebês estão no ventre materno. São momentos construídos que legam conhecimento não somente às crianças, mas também aos adultos, produzindo uma incrível troca que se bem organizada, renderá muitos frutos.

Alguns estudos de Psicologia e Pedagogia revelam que, a partir dos seis meses de idade, a vivência leitora cumpre um papel significativo no desenvolvimento psíquico. Pequeninos que estão imersos em meios “narrativos”, descobrem o ato de imaginar, principalmente na ausência de adultos que habitualmente estão por perto, enriquecendo essa etapa em contato com as ficções. Notoriamente, estar nesse ambiente passa a ser um diferencial em relação às famílias que não proporcionam um crescimento em meio aos livros.

O manuseio do livro também executa um ofício elementar para as crianças com menos de doze meses de existência que, para além de manejar e folhear, igualmente apontam personagens e elementos presentes nas histórias, emitindo sons e até mesmo reconhecem o desfecho dos enredos que já foram lidos anteriormente.

Na sala de aula, do mesmo modo que em casa, há alguns princípios que tornam a prática leitora saborosa. Primeiramente, é essencial entender o contexto em que os alunos vivem. Contextos sociais diversos elencam temas também diversificados e, nos primeiros anos de vida, é interessante que os pequeninos tenham contato com aspectos semelhantes ao de sua vivência.

Com o tempo, no ritmo das crianças, é possível introduzir novos conteúdos, ir além, ampliando caminhos das enriquecedoras experiências, como apresentar livros de outros países e culturas nacionais diferentes, revelando outras formas de viver a vida e mostrando a elas que a diversidade é bonita e deve ser respeitada. Gerando um sentimento interessante dentro do próprio grupo.

Por fim, a escolha de bons livros e a maneira de contar são chaves imprescindíveis nos momentos de leitura. Temas que sejam interessantes aos pequenos, cores, materiais e histórias bem construídas, são pontos que precisam ser levados em consideração. A modulação, sonoridade e cadência da voz adulta também é um diferencial na interpretação dos textos, possibilitando descobertas e construções, aguçando a sensibilidade e a criatividade que somente a criança interlocutora das ocasiões de leitura consegue obter.

Crianças e literatura: uma amizade essencial

Diga-me com quem andas e eu te direi quem és! A famosa frase ao lado nem sempre é uma máxima, porém, se seus filhos têm uma relação de profunda amizade com os livros, esse é um excelente sinal.

As queixas de pais, educadores e pesquisadores sobre o desencantamento e afastamento dos pequeninos para com a literatura vem aumentando assustadoramente nos últimos anos.

Geralmente, a culpa recai sobre a intensa e desleal concorrência com a tecnologia e o atraente prazer que ela causa em todas as gerações. Aliás, esse é um aspecto a ser considerado. Não só jovens e crianças estão deixando os livros de lados, mas adultos que, em algum momento, já tiveram essa extraordinária experiência também estão entrando para o clube dos divorciados literários.

Longe de execrar os frutos da tecnologia, que obviamente garante milhares de benefícios, talvez o principal problema resida na falta de exemplos em casa. Famílias leitoras geram filhos leitores. Costumeiramente, há uma transferência de responsabilidades à escola e o prazer pela leitura ocupa os primeiros lugares da lista.

Considerando que, de fato, o Ensino Fundamental inicia-se aos seis anos no Brasil, esse é um tempo muito grande para que os estudantes tenham o primeiro contato mais íntimo com os livros. Se a maioria das vivências infantis até essa idade ficou longe da exploração literária, é provável que o caminho tenha muitos percalços e o resultado não seja positivo.

Portanto, é chegada hora dos adultos entenderem a seriedade do problema e enxergar que o exemplo começa em casa, definitivamente. Mentes leitoras são mais criativas, inquietas e principalmente questionadoras. Esse último item é primordial para uma sociedade que busca mudanças políticas, sociais e econômicas.

A cada novo livro, novas portas são abertas, não havendo limites para inspirar novas criações. Além disso, melhora-se as funções cerebrais, aumentando a habilidade de leitura e compreensão*.

Porém, esse universo pode jamais ser explorado pelas crianças se os adultos que estão ao seu redor não apresentarem esse macrocosmo aos pequeninos desde os primeiros anos de idade. Na relação entre as crianças e os livros, não há perda alguma, apenas benefícios.

* Leitura melhora a função cerebral de estudantes