Projeto: Cartografia Tátil – Pedagogia UNIFAI

Desde 2019, o Projeto Cartografia Tátil vem envolvendo os cursos de Pedagogia, História e Ciências Biológicas da Unifai de Adamantina-SP, além de escolas da rede pública e privada, com a intenção de produzir mapas táteis que possam ser utilizados em sala de aula por alunos com baixa visão ou privados da totalidade da visão. O projeto constitui-se uma forma de exercer a cidadania, contribuindo para uma educação mais inclusiva.

Made with Padlet

Exposição virtual de História – Mulheres: entre conquistas e abusos

Esta exposição virtual engloba trabalhos dos alunos do 6º 1 do Colégio Adamantinense Objetivo, apresentando as conquistas históricas obtidas pelas mulheres ao longo do tempo, porém, revelando o quanto ainda precisa ser alcançado, apresentando-nos uma série de dificuldades e crimes que ainda são cometidos cotidianamente contra as mulheres e, infelizmente, muitas das vezes, passam desapercebidos.

Made with Padlet

Alguns trabalhos podem apresentar inconsistências e pequenos erros. Porém, a ideia é incentivar os alunos à experimentação de novas ferramentas, vivenciar novas experiências, oportunizando a autonomia, desenvolvendo o papel de agentes dentro do processo de aprendizagem, possibilitando, por fim, o exercício da cidadania. (justamente por isso, nenhuma alteração foi desenvolvida).

Podcast: História – unidades temáticas e objetos de conhecimento e habilidades do 1° ano do Ensino Fundamental I

hleducação

Novo podcast da série História e Literatura + Educação saindo do forno, quentinho!!! Vamos iniciar a análise das unidades temáticas da BNCC e seus respectivos objetos de conhecimento e habilidades referentes ao 1° ano do Ensino Fundamental I, (páginas 406 e 407 da BNCC).

TRILHA SONORA: Circus Maximus

PODCAST GRAVADO DURANTE AS AULAS DA CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIFAI, ADAMANTINA-SP.

Podcast: História – Anos iniciais: Unidades temáticas, objetos de conhecimento e habilidades

hleducaçãoNo podcast desta semana, seguimos com a série História e Literatura + Educação. Agora, vamos abordar as unidades temáticas, objetos de conhecimento e habilidades de História para os anos iniciais do Ensino Fundamental (páginas 403 a 405 da BNCC). Além de comentar um pouquinho mais sobre o conhecimento de si e do outro, com uma pequena introdução sobre os assuntos trabalhados do 1° ao 5° ano.

Trilha sonora: Of Allies https://open.spotify.com/artist/5fYc93nNjMlAsoaXen9elQ?si=w_7QNcBMShCux5Z6Vw0Lgw
Podcast gravado durante as aulas da curso de Pedagogia da Unifai, Adamantina-SP.

Podcast: Competências específicas de História para o Ensino Fundamental (BNCC)

hleducaçãoEm meio à pandemia atual, o site História e Literatura tomou a iniciativa de lançar a série “História e Literatura + Educação” disponibilizando podcasts, vídeos e textos relacionados à História, Educação e Literatura como ferramenta para auxiliar professores e estudantes nessa nova fase para a educação.

Nosso primeiro podcast é uma análise sobre as Competências específicas de História para o Ensino Fundamental abordadas na BNCC.

competências especificas bnccPodcast gravado durante as aulas da curso de Pedagogia da Unifai, Adamantina-SP.

 

Saint-Domingue e a esperança desvanecida

“Esperança aos marginalizados”! Assim, muitos historiadores relataram o processo de abolição da escravidão e independência do Haiti, comumente conhecido como Revolta de São Domingo ou Revolução Haitiana entre os anos de 1791 a 1804.

Em termos teóricos, para muitos pesquisadores, é um grande exemplo do que de fato o conceito de revolução significa em seu sentido mais puro: algo abrupto e intenso que leva a uma mudança em larga escala em áreas como a política, sociedade e economia.

Em termos práticos, o atroz movimento na colônia francesa de Saint-Domingue precisa ser analisado de forma mais aprofundada, principalmente em razão daqueles que defendem uma linha de continuidade às brutais estruturas sociais que vigoravam sob a governança francesa.

Por muito tempo, a também intitulada Revolução dos Escravos, foi disseminada como um bastião da luta pela liberdade dos povos africanos escravizados na América e, além disso, tida como bem-sucedida por parte da historiografia, instigou ainda processos de independência em toda a América Latina.

Não nos resta dúvida que tamanho evento gerou um sentimento de expectação em populações que sofriam os abusos da exploração colonial, influenciando uma série de pensadores e movimento ao longo do tempo. Pode-se falar o mesmo sob a perspectiva metropolitana, ou seja, o processo revoltoso gerou uma inquietação nas elites governantes de toda a América e temor de que ações semelhantes irrompessem em outras áreas.

No Brasil, a Revolta dos Malês de 1835 na cidade de Salvador, na Bahia, é um exemplo do temor de que os escravos negros de origem islâmica em solo baiano desembocasse em uma conjunta semelhante à haitiana. Embora, exista uma contestação dessa temeridade por determinados historiadores, a repressão não tardou e em menos de um dia as ações foram contidas e as punições foram extremamente severas.

Voltando ao Haiti, o herói da revolução François Toussaint, filho de africano, que havia conseguido sua alforria em 1776 e liderou muitos movimentos militares rumo à abolição da escravidão, após as primeiras etapas do conflito, se autoproclamou em 1801 governador-geral vitalício, precisou negociar com Napoleão a manutenção da abolição, acabando preso e falecendo na prisão.

A independência conquistada em 1804 após muito sangue e destruição conferiu esperança aos grupos marginalizados de outrora. Porém, divisões políticas intensas, as cisões sociais, a transitoriedade entre a rigidez produtiva, distribuição de terra aos desfavorecidos e latifúndios minou esse entusiasmo pouco a pouco.

Os arquétipos do período colonial, muito bem enraizados, foram difíceis de talhar. O poder continuou alijando a massa populacional, mantendo uma elite no comando. As reparações aos escravocratas por terem perdidos suas “propriedades” desfortunou o país e as tentativas de combater o isolamento político e econômico não resultaram em mudanças substanciais.

Leitura para bebês

woman reading book to toddler
Foto por Lina Kivaka em Pexels.com

A leitura para bebês abre uma janela incrível ao mundo que nos cerca, assim como ao mundo ficcional, essencial para nossas vidas. O auxílio na aquisição e no desenvolvimento da linguagem é algo extraordinário, introduzindo experiências leitoras para preparar a criança para a vida social tanto quanto a escolar.

Mas, outro aspecto extremamente relevante nesse processo, é o florescimento dos laços de afetividade que se estabelecem entre pais leitores e filhos ouvintes. É uma vivência fantástica.

Costumeiramente, os genitores, na maioria das vezes, estabelecem um diálogo dispositivo, ou seja, os pequeninos crescem escutando ordens, ainda que de forma carinhosa. No processamento de obtenção e compreensão do falar, a apreciação dos livros traz ganhos de qualidade e proporciona uma relação interlocutora aconchegante e só possível através leitura.

Justamente por isso, é essencial que obras e textos sejam lidos desde o momento em que os bebês estão no ventre materno. São momentos construídos que legam conhecimento não somente às crianças, mas também aos adultos, produzindo uma incrível troca que se bem organizada, renderá muitos frutos.

Alguns estudos de Psicologia e Pedagogia revelam que, a partir dos seis meses de idade, a vivência leitora cumpre um papel significativo no desenvolvimento psíquico. Pequeninos que estão imersos em meios “narrativos”, descobrem o ato de imaginar, principalmente na ausência de adultos que habitualmente estão por perto, enriquecendo essa etapa em contato com as ficções. Notoriamente, estar nesse ambiente passa a ser um diferencial em relação às famílias que não proporcionam um crescimento em meio aos livros.

O manuseio do livro também executa um ofício elementar para as crianças com menos de doze meses de existência que, para além de manejar e folhear, igualmente apontam personagens e elementos presentes nas histórias, emitindo sons e até mesmo reconhecem o desfecho dos enredos que já foram lidos anteriormente.

Na sala de aula, do mesmo modo que em casa, há alguns princípios que tornam a prática leitora saborosa. Primeiramente, é essencial entender o contexto em que os alunos vivem. Contextos sociais diversos elencam temas também diversificados e, nos primeiros anos de vida, é interessante que os pequeninos tenham contato com aspectos semelhantes ao de sua vivência.

Com o tempo, no ritmo das crianças, é possível introduzir novos conteúdos, ir além, ampliando caminhos das enriquecedoras experiências, como apresentar livros de outros países e culturas nacionais diferentes, revelando outras formas de viver a vida e mostrando a elas que a diversidade é bonita e deve ser respeitada. Gerando um sentimento interessante dentro do próprio grupo.

Por fim, a escolha de bons livros e a maneira de contar são chaves imprescindíveis nos momentos de leitura. Temas que sejam interessantes aos pequenos, cores, materiais e histórias bem construídas, são pontos que precisam ser levados em consideração. A modulação, sonoridade e cadência da voz adulta também é um diferencial na interpretação dos textos, possibilitando descobertas e construções, aguçando a sensibilidade e a criatividade que somente a criança interlocutora das ocasiões de leitura consegue obter.

Dicas de História para o ENEM 2019

maratona enem 2019

Quais conteúdos de História mais aparecem no Enem?

Segundo um levantamento do Poliedro, os temas mais presentes nos últimos anos são:

História do Brasil

•    Segundo Reinado (12,3%)
•    Governos pós-Ditadura Militar (12,3%)
•    Era Vargas (11,1%)
•    República Velha (9,9%)
•    Administração colonial (4,9%)
•    Ditadura Militar (4,9%)
•    Sistema e economia colonial (4,9%)
•    República Populista (2,5%)
•    Crise do Sistema Colonial (2,5%)
•    Processo de Independência (1,2%)

História Geral

•    Segunda Guerra Mundial e suas consequências (13,6%)
•    Baixa Idade Média (8,6%)
•    Grécia e Roma (4,9%)
•    Reformas e Revoluções (2,5%)
•    Segunda Revolução Industrial e Primeira Guerra Mundial (1,2%)
•    Grandes Navegações (1,2%)
•    Revolução Industrial e Iluminismo (1,2%)

Antes das dicas para a prova de 2019, vamos ao Enfoque do ENEM em 2018

Foram 9 questões que envolveram temas brasileiros:

maratona enem 2019_2.jpg

Nos conteúdos gerais tivemos 6 questões:

maratona enem 2019_3.jpg

Na MARATONA ENEM DE 2018, 59% das dicas sobre os conteúdos de História acabaram aparecendo na prova, por isso, vamos a elas para o ano de 2019:

maratona enem 2019_4.jpg

Costumeiramente, sempre aponto um tema-chave para o conteúdo de História ou até mesmo para a redação. Este ano, o tema sobre os processos imigratórios espalhados pelo mundo podem aparecer como “pano de fundo” para várias questões. Além disso, os protestos e movimentos pró-democracia na América do Sul também devem se fazer presentes (com mais ênfase para os movimentos da Venezuela e Argentina devido a temporalidade mais afastada em relação à elaboração da prova).

maratona enem 2019_5.jpg
Disponibilizado pelo site G1.com

Por fim, com o auxílio do Poliedro Resolve, vamos analisar quatro questões-chave que representam as novas configurações de conteúdos históricos dentro do ENEM (habilidades e conteúdos exigidos dos alunos) nos últimos anos. A última delas, na verdade, é uma exemplificação de conteúdos históricos que podem aparecer em perguntas de outras disciplinas.

maratona enem 2019_6.jpg

Rosa Parks foi uma ativista negra que, na década de 1950, ganhou notoriedade por se recusar a ceder o seu lugar no ônibus a um branco, iniciando, assim, o movimento “Boicote aos ônibus de Montgomery”, em um período em que a luta contra a segregação racial nos EUA ganhou fôlego. Sendo assim, resposta D.

maratona enem 2019_7

Getúlio Vargas é o “queridinho” do ENEM. Seja atrelado à Revolução de 1930, à ditadura conhecida como Estado Novo ou o governo democrático que findou com o seu suicídio, o “pai dos pobres” e “mãe dos ricos” tem presença quase que constante. Nesse caso, ainda que o aluno não conheça o conteúdo de forma aprofundada, a imagem nos revela uma ação muito comum do DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda) durante o Estado Novo (1937-1945) ao propagandear uma suave e carismática imagem do vovô Getúlio. Portanto, item D.

maratona enem 2019_8.jpg

Aqui, temos ênfase às figuras femininas em um processo histórico importante para o país, o abolicionismo (esses temas ganharam força nos últimos anos). Uma leitura despretensiosa pode levar o aluno a assinalar o item  A, porém, também com apoio do texto, principalmente na “fala” de Francis Clotilde, entendemos que a resposta correta é o item E. Tanto Emília Freitas, quanto Maria Tomásia participaram, no fim do século XIX, de um grupo chamado Sociedade das Senhoras Libertadoras, no Ceará, combatendo a escravidão no país.

maratona enem 2019_9.jpg

Por fim, nosso último objeto de análise, não é uma questão divulgada como conteúdo de História, mas exige do aluno o conhecimento do contexto das décadas de 1930, 1940 em diante, no que tange a relação mulher e sociedade. A partir da análise do texto da propaganda, extremamente estereotipado, e o intuito do produto apresentado, concluímos que o item B está correto.

Enfim, uma atenção maior aos movimentos sociais, aspectos culturais, rupturas nos processos históricos e valorização da multiplicidade dos modos de se viver, conectados às questões políticas, econômicas e sociais ganharam ênfase na composição do último ENEM e, provavelmente, serão mantidas para 2019.

*O material disponibilizado aqui é fruto da MARATONA ENEM 2019 da equipe Ensino Qualis (Poliedro) de Adamantina-SP.

** A sessão Fogueira dos Alunos é área do História & Literatura especializada em conteúdos de História para vestibulares e ENEM. Fique ligado 😉

Artigo sobre a Síndrome de Irlen é publicado pela Revista da Associação Brasileira de Psicopedagogia

blur children class classroom
Foto por Akela Photography em Pexels.com

No último dia 2 de agosto ,  foi divulgada a publicação do historiador e psicopedagogo Mateus Barroso Sacoman sobre a Síndrome de Irlen pela revista da Associação Brasileira de Psicopedagogia.

Segundo a Drª. Débora Silva de Castro Pereira, o artigo “A Síndrome de Irlen: diagnóstico e o contexto e intervenção” tem a intenção de, através do levantamento de estudos e materiais sobre o tema, determinar as definições e sinais da síndrome, abordando também as dificuldades geradas por ela nos mais diversos âmbitos de convivência e explicitar alguns métodos de intervenção, registrando ainda algumas situações e caminhos para uma reflexão que contribua para a prática do profissional que lida com todo esse processo.

Continuar lendo Artigo sobre a Síndrome de Irlen é publicado pela Revista da Associação Brasileira de Psicopedagogia

Gregos, Macedônios e Persas: na disputa por territórios quem ganhou foi a Cultura

A Grécia, após um período de prosperidade e predomínio sobre a região, enfrentava conflitos internos, o que a tornou vulnerável. A Guerra do Peloponeso, entre as duas principais Póleis gregas (Atenas e Esparta), oportunizou o restabelecimento dos persas sobre os territórios da Ásia Menor, então dominados pelos gregos.

Esse contexto também permitiu que o rei Filipe II, com seu filho Alexandre III, desse início ao seu projeto de ampliação das fronteiras da Macedônia. Vencedor, na Batalha da Queronéia, em 338 a.C., o rei Filipe II buscou aliados entre os povos conquistados, solicitando impostos e o direito de ser reconhecido também como um grego, aproveitando para anunciar que iria seguir contra o Império Persa e recuperar a Ásia Menor.

Nessa ocasião, Alexandre III tinha apenas 18 anos de idade e já era o líder do batalhão que venceu Tebas. Dois anos depois, o rei Filipe II foi assassinado e seu filho assumiu o trono.

Para manter a ordem e o poder, Alexandre III foi duro com quem questionou o seu direito e seguiu os planos do seu pai, enfrentando por 10 anos os persas e se saindo vencedor. O Império Aquemênida (550 a 330 a.E.C), ou Império Persa, era governado em 20 unidades que deveriam se reportar ao rei, e por ser composto por diferentes povos tinha um método de organização que depois seria aproveitado por Alexandre Magno.

Desde Ciro, ao se dominar um povo, negociava-se o respeito e a tolerância cultural/religiosa pela aliança e pelos impostos. Outra estratégia era facilitar a comunicação, com a construção de estradas e um ágil sistema de correios, que também facilitaram o comércio. Nesse último aspecto a unificação da moeda foi uma importante estratégia de Dário I (550 a.C. a 486 a.C.), que criou a dárico. Por toda essa dimensão, a conquista da Macedônia sobre esse povo foi extraordinária.

Depois de incorporar o domínio persa, Alexandre III seguiu para a Índia, mas teve que recuar, respeitando as limitações do seu exército. Na sequência, Alexandre acabou morrendo e não pode expandir ainda mais suas fronteiras como desejava. O seu Império se desmanchou na disputa sucessória, mas seus feitos foram mantidos através das lendas que se espalharam na Ásia, África e Europa, e nas letras de músicas, nos filmes e nas animações, que mesmo na Era Contemporânea continuam sendo feitos. Entre os legados do Império Macedônico está a cultura helenística, que surgiu do estímulo à diversidade
cultural e do patrocínio de estudos sobre territórios e culturas anexadas.

Fonte: Elaborado especialmente para o Material de Apoio ao Currículo Paulista.